Notícias

MPF denuncia Vaccari e Duque

O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato de Duque foram denunciados à Justiça, por procuradores que integram a força-tarefa da Operação Lava Jato, sob a acusação da prática de lavagem de dinheiro.
Flávio Ferreira | FOLHA DE SÃO PAULO
27 de abril de 2015 às 11:38

 O ex-tesoureiro do PT João Vaccari Neto e o ex-diretor de Serviços da Petrobras Renato de Duque foram denunciados à Justiça, por procuradores que integram a força-tarefa da Operação Lava Jato, sob a acusação da prática de lavagem de dinheiro.


A denúncia do Ministério Público, apresentada nesta segunda-feira (27), aponta que o crime foi praticado 24 vezes, entre abril de 2010 e dezembro de 2013, e totalizou R$ 2,4 milhões.


De acordo com acusação, uma parte da propina paga para Duque por empreiteiras que tinham contratos com a Petrobras foi direcionada por empresas do grupo Setal Óleo e Gás, controlado por Augusto Mendonça, para a Editora Gráfica Atitude, a pedido de Vaccari Neto.


Na denúncia a Procuradoria pediu que os acusados sejam condenados a pagar uma indenização de R$ 4,8 milhões à Petrobras e que seja determinado o confisco de R$ 2,4 milhões do patrimônio deles.


Há, ainda, vários indicativos de ligação da Gráfica Atitude com o PT, afirma a Procuradoria.


Segundo a força-tarefa, para conferir uma justificativa econômica aparentemente lícita para os repasses da propina, empresas do grupo Setal –a Setec e a SOG– assinaram dois contratos, em 1º de abril de 2010 e em 1º de julho de 2013, respectivamente, com a Gráfica Atitude.


A gráfica, porém, jamais prestou serviços reais às empresas, emitindo notas frias para justificar os repasses, de acordo com os procuradores.


Em nota, o procurador da República Deltan Dallagnol, coordenador da Força-Tarefa Lava Jato, afirmou que embora a denúncia envolva um partido –o PT–, o esquema era pluripartidário e que já foram denunciados anteriormente operadores vinculados às diretorias controladas pelo PP e pelo PMDB.

"A partidarização do olhar sobre as investigações prejudica os trabalhos, porque tira o foco do que é mais importante, que é a mudança do sistema, o qual favorece a corrupção seja qual for o partido. Por isso o MPF apresentou as dez medidas contra a corrupção e a impunidade".


De acordo com a Procuradoria, a responsabilidade criminal de pessoas vinculadas à Atitude será apurada em investigações próprias.


OUTRO LADO

A reportagem ainda não conseguiu falar com Vaccari, Duque e representantes da gráfica.


Vaccari nega qualquer irregularidade à frente da tesouraria do PT. A defesa de Duque sempre negou que ele tenha praticado crimes na diretoria de Serviços da estatal.


Procurado pela Folha no dia 15 de abril, quando foi divulgado que o motivo para a prisão de Vaccari haviam sido pagamentos suspeitos efetuados à Gráfica Atitude, o coordenador editorial e financeiro da empresa, Paulo Salvador, disse que vai esperar ser notificado pela Justiça para se pronunciar. 

 

Leia mais em:

http://www1.folha.uol.com.br/poder/2015/04/1621614-procuradoria-denuncia-renato-duque-e-vaccari-por-lavagem-de-dinheiro.shtml

Sou associado
E-mail ou Usuário(ID):
Senha:
Fórum da AUDITAR
 
Consultoria Jurídica
Twitter   Facebook   RSS
AUDITAR © 2019
Total de visitas: 4.648.302 (Desde 06/2010)